Vaginismo? O que é isso?

Se você é daqueles que ainda acha que o Vaginismo é uma DST, está errado.
Vaginismo não é nada mais que a: “Contracção involuntária dos músculos circunvaginais” (próximos à vagina), o que impede qualquer tipo de penetração na vagina.

A que se deve o vaginismo?
Simples, existe ainda muita gente que instaura o medo, desde cedo, nas mulheres e meninas, seja por razões morais, políticas ou religiosas, para não terem relações sexuais. O sexo é visto como algo sujo, degradante, embaraçoso, repreensível…
Mesmo quando não são os pais a querer controlar, é a sociedade/ cultura/ religião, e torna-se comum a menina ficar com medo da primeira vez, já que toda a comunidade diz que dói.

Esse medo pode provocar a contracção dos músculos, impedindo a penetração. Ou, na maioria dos casos, a penetração poderá até acontecer, mas a mulher sentirá dor.

Por isso, é importante saber que a dor que muitas mulheres descrevem “da primeira vez” é devida a essa contracção muscular.
Se a menina quer que não doa, o melhor é relaxar e compreender melhor o seu corpo, para saber quando está pronta e relaxada.

Todos os homens precisam de saber isto, em vez de se acharem machões por estar a comer uma “gaja apertada”.
É um absurdo ninguém explicar o vaginismo, nem nas escolas.
No entanto, um homem no mínimo compreensivo saberia que, se a garota está tensa, não poderá ser penetrada. Em vez de forçar, ajudaria a deixá-la mais relaxada, calma e saber quando ela estiver pronta.

Mas como saber se estou pronta?
A melhor forma é entender o seu corpo, e para isso o truque é masturbar-se.
Vá à casa de banho e pense em alguém atraente, acaricie-se, veja o que lhe dá prazer, toque-se.
Com o tempo descubra o quanto fica molhada.
Veja se está apertada, tente colocar um dedo, veja se entra facilmente. Depois tente outro.

Com o tempo, você sentirá quando o músculo da vagina está relaxado, assim você saberá se já está pronta para primeira relação sexual, e começar a penetração. Ou se ainda está um pouco tensa e é melhor continuar com mais uns amassos.

O vaginismo só ocorre na primeira vez?
Não. Em muitos casos o vaginismo pode ocorrer devido a um trauma psicológico, como ter sido violada ou conviver com pessoas que condenam o sexo a tempo inteiro.
Em alguns casos é necessário ir a um médico para tratar o problema.

sensual

Anúncios

Orgasmo Clitoriano versus Orgasmo Vaginal

Orgasmo clitoriano x orgasmo vaginal

 

I. Orgasmo feminino: um grande mistério

Nas teorias que elaborou sobre a sexualidade feminina, Freud acreditava ser o clitóris o vestígio de um pénis inferior. Na infância, seria natural o clitóris ser descoberto primeiro como órgão do prazer feminino por ser mais perceptível. Mas, no seu desenvolvimento para a vida adulta, a menina deveria transferir o seu interesse pelo clitóris para a vagina que, por ser um órgão receptor, lhe proporcionaria alcançar a sexualidade madura. Para ele, a atitude feminina normal que a mulher desenvolve para compensar a inveja do pénis é de passividade, submissão e dependência.

Karen Horney, a partir de 1924, desafiou as opiniões de Freud, admitindo a influência da cultura que obrigava as mulheres a adaptarem-se aos desejos dos homens e a encararem essa adaptação como um reflexo da sua verdadeira natureza, e recusando a aceitar a anatomia como destino. Ela considerava ser a capacidade da mulher para a maternidade uma prova da sua superioridade fisiológica – o que era invejado pelos homens – e também como evidência de que a vagina, assim como o clitóris, representa um papel na organização genital infantil das mulheres.

II. Pesquisas sobre a sexualidade chocam público americano

A partir da década de 50, o biólogo Alfred Kinsey estudou os hábitos sexuais da nossa cultura, usando métodos quantitativos, e a teoria da transferência clitoriano-vaginal de Freud começou a ser oficialmente desafiada. Kinsey reuniu sete mil de aproximadamente dezassete mil casos ou observações. Numa palestra na Academia de Medicina de Nova York, em 1955, revelou a uma grande plateia atónita de ilustres médicos a ampla variedade de comportamentos sexuais masculinos e femininos, como a masturbação, o homossexualismo, o coito anal e especialmente as relações extraconjugais, praticados em muito maior número do que a sociedade desejava admitir publicamente.

Como Freud e todos os outros grandes pioneiros, Kinsey cometeu alguns erros. Um deles, que afecta o nosso dilema actual (orgasmo clitoriano versus vaginal), nasceu do seu desejo de ser tão científico quanto possível. Numa pesquisa especial do Instituto Kinsey, tentaram determinar quais as áreas dos órgãos genitais femininos mais sensíveis ao estímulo sexual. Três ginecologistas homens e duas mulheres testaram mais de oitocentas voluntárias, tocando dezasseis pontos, inclusive o clitóris, os grandes e pequenos lábios, a mucosa vaginal e o colo do útero.

Desejando ser impessoais e científicos, os experimentadores não quiseram tocar directamente as pessoas pesquisadas. Foi usado então um dispositivo semelhante a uma ponte em Q. Os pesquisadores de Kinsey perceberam que as áreas sensíveis da vagina respondem à pressão forte, mas não ao toque suave, e assim concluíram que o clitóris é sensível e a vagina não.

org
III. O acto sexual é observado em laboratório

Masters e Johnson, encorajados pelo progresso científico do trabalho de Kinsey, decidiram observar, pela primeira vez, o sexo em laboratório. Devido ao erro de Kinsey, eles admitiram que a capacidade da masturbação até atingir o orgasmo pelo estímulo do clitóris era o ponto crucial da resposta sexual feminina normal. “Agora sabemos que eles se esqueceram, ou deixaram passar, as mulheres que funcionam de modo diferente”, disseram eles. Passaram a defender, então, que todos os orgasmos femininos envolvem o clitóris e são fisiologicamente indistinguíveis. Para eles, todos os orgasmos da mulher envolvem o contacto com outras partes da abertura da vagina, provocando uma fricção entre o clitóris e o seu próprio capuz. A mesma fricção que ocorre durante a masturbação pode ocorrer durante o coito.

IV. Orgasmo clitoriano: imaturo ou o único possível?

Para Freud o orgasmo clitoriano era imaturo, para Masters e Johnson, o único orgasmo possível. Em 1977, Alice e Harold Ladas decidiram elaborar e enviar um questionário anónimo para 198 mulheres analistas bioenergéticas, com o objectivo de discutir as diferenças teóricas que envolviam a importância do clitóris. Acreditavam que assim elas estariam mais livres para responder, já que manter interesse pelo clitóris, para elas, era ser imaturo.

A grande conclusão dessa pesquisa foi desafiar a teoria freudiana da transferência clitoriano-vaginal. De acordo com o que responderam, as mulheres não prefeririam abandonar o clitóris em favor da vagina, mas, pelo contrário, adicionar a sensibilidade vaginal ao seu desfrute do estímulo clitoriano!

V. Todas as formas de orgasmo valem a pena

Em 1980, os resultados desse estudo foram apresentados por Alice Ladas no congresso nacional da Sociedade para o Estudo Científico do Sexo, onde demonstrou que os orgasmos não implicam necessariamente o clitóris e também que o orgasmo clitoriano não é imaturo. No mesmo congresso, ela tomou conhecimento pela primeira vez do trabalho de John Perry e Beverly Whipple sobre o ponto G e a ejaculação feminina.

É de admirar que 20 anos depois alguns autores ainda afirmem que todo o orgasmo feminino tem que passar pelo clitóris. Dizem que sempre que a mulher tem orgasmo durante a penetração é porque o clitóris foi estimulado de alguma forma. Mas isso não é verdade, é o tipo de afirmação que prejudica e limita o prazer das mulheres.

A mulher pode ter orgasmo sem haver penetração. Quanto a isso ninguém duvida. Geralmente é assim quando ela se masturba. No aparelho genital externo o orgasmo pode ocorrer em várias partes, principalmente no clitóris e nos pequenos lábios, que são áreas com mais terminações nervosas. Com a penetração do pénis, a mulher pode ter orgasmo de duas formas: contraindo os músculos da vagina e se o ponto G é pressionado e estimulado adequadamente. Isso não impede, entretanto, que, com o movimento do pénis dentro da vagina, o clitóris também seja estimulado. É o que se chama de orgasmo combinado.

VI. As melhores posições para o orgasmo vaginal

A posição do homem e da mulher durante o acto sexual tem relação com o estímulo do ponto G e a cooperação entre os parceiros é fundamental. Gräfenberg, o médico que descreveu esse ponto, afirma que o ângulo que o pénis forma com o corpo tem um significado importante e deve ser tido em conta.

Cada vez mais mulheres conhecem as diferentes formas de prazer sexual. Uma mulher de 25 anos contou a sua experiência: “Com meu ex-namorado acontecia uma coisa que não acontece com os outros parceiros. Quando ficávamos um de frente para o outro, o seu pénis alcançava aquele ponto dentro da minha vagina que me dava um prazer louco. Tinha muitos orgasmos seguidos e às vezes até ejaculava. Acho que era a maneira pela qual o pénis dele ficava erecto, encostado de encontro à sua barriga.”

Mas esse não é a única forma. Para alguns casais, a mulher estando por cima é a melhor posição para estimular a área do ponto G. Neste caso, um pénis de menor tamanho pode até ser mais eficiente do que um maior. Muitas mulheres consideram o orgasmo vaginal qualitativamente superior ao orgasmo clitoriano. Elas declaram que é melhor porque envolve o corpo inteiro, diferente do orgasmo clitoriano, que pode ser mais agudo, talvez mais forte, mas a sensação situa-se apenas na área genital.

Entretanto, isso não significa em absoluto que o orgasmo clitoriano não seja também delicioso. O problema é que há mulheres que se sentem diminuídas, como se fossem menos mulheres, por não conseguir orgasmos vaginais. Isso é um absurdo. Com toda a repressão da sexualidade feminina, seria estranho se o orgasmo da mulher fosse algo simples.

Nenhuma mulher é obrigada a perseguir o orgasmo vaginal, transformando a sua vida sexual numa fonte de ansiedade e sofrimento. Contudo, o sexo é uma aprendizagem. É instintivo e natural apenas para a procriação, mas para o prazer todos temos muito que aprender. Usufruindo, na troca com o outro, do máximo que o sexo nos pode proporcionar, vamo-nos transformando e a vida vai-se tornando cada vez mais apetecível.

Livro consultado: A cama na varanda, Regina Navarro Lins, Editora Rocco, 1997.

A arte da penetração

aartedaDepois dos preliminares e de muita brincadeira chega a hora mais conhecida como “a hora H”, ou os “finalmentes” e se você pensa que é só entrar e depois ficar ali a ir e a voltar aqui está o “algo mais” que todos devem saber:

 – Aposte nos preliminares pois ajudam bastante na lubrificação.

A vagina ou o ânus devem estar lubrificados. No caso da vagina, pode bastar a lubrificação natural que é estimulada durante os preliminares do sexo. Mas pode ser que vocês precisem de um lubrificante extra.

 

– Use lubrificantes à base de água.

Porque além de outras coisas, não há risco de reagir com o preservativo. No caso do sexo anal a lubrificação é lei porque o ânus é uma zona sensível e tende a lesar-se mais facilmente na penetração.

 

– O ideal é fazer uma penetração firme e suave ao mesmo tempo.

Tente orientar as coisas de forma a começar apenas com a cabeça do pénis. Vá fazendo pequenas penetrações. A penetração deve ser feita a pouco e pouco para que ambos se vão acostumando.

 

– Para que tenha bastante precisão nos movimentos e bastante carga erótica, é fundamental que tenha um bom movimento de pélvis.

Fique atento à sua vontade de ter orgasmo. Controle isso. Você pode desenvolver esta sensibilidade. Só deve ir mais fundo na penetração se sentir que não vai chegar lá. Se o seu sensor diz que está para vir, então pare com os movimentos, ou pare com a penetração nesse momento. Volte para as preliminares, baixando um pouco a carga erótica (tesão). Com um pouco menos de tesão, você pode começar novamente a empreitada.

 

– Respire.

A respiração mais controlada vai dar-lhe a calma necessária para não ser precoce e aproveitar ao máximo.

 

– Esteja atento(a) às reacções da(o) sua (seu) parceira(o).

Saiba como ela (e) o está a sentir. Imagine como é bom estar lá dentro, com o seu pénis bem tratado, agasalhado, deslizando num vai e vem delicioso. E vá sem culpa de ser feliz!

 

– Penetre mais o seu pénis, pouco a pouco.

 Assim ela vai-se habituando a ele e você vai se familiarizando com ela.

 

– Depois de uma entrada mais profunda, faça alguns movimentos com a sua pélvis, para a frente e para trás, preenchendo-a.

Volte agora para o raso, sentindo-se novamente “na portinha”. Movimentos de penetrações rasas. E vá fundo novamente, intercalando penetrações rasas e profundas. Assim você vai tocando com arte toda a extensão da vagina, inclusive os locais mais sensíveis.

 

– E quando você estiver com todo o seu pénis dentro dela, deixe que o seu osso púbico pressione o dela.

A mulher pode nesse momento usar as suas mãos para acariciar os seus testículos.

 

Divirta-se!! 😉

Ejaculação Feminina – Sabia?

Ejaculação feminina

I. O que é a ejaculação feminina


A descoberta da ejaculação feminina é ainda mais revolucionária do que a do ponto G. Essa ejaculação ocorre com mais frequência quando o ponto G é estimulado provocando orgasmos consecutivos na mulher. O líquido que esguicha da uretra é produzido nas glândulas de Skene e a sua quantidade pode variar de 15 a 200 ml. A sensação para o homem é “de uma calda de chocolate quente escorrendo em cima dos seus órgãos genitais”, afirma a sexóloga Marilene Vargas. E, dependendo da quantidade expelida, pode molhar bastante o lençol.


Já em 1926, o médico Theodore H. Van de Velde publicou um manual sobre o casamento, onde mencionava que algumas mulheres expelem um líquido durante o orgasmo. Antropólogos relataram rituais de puberdade na tribo batoro de Uganda, África, onde a ejaculação feminina tem um papel importante num costume chamado kachapati, que significa “aspergir a parede”. Nele, a jovem batoro é preparada para o casamento pelas mulheres mais velhas da aldeia, que lhe ensinam como ejacular.

Em 1950, Gräfenberg descreveu detalhadamente a ejaculação da mulher em relação ao prazer: “Esta expulsão convulsiva de fluidos ocorre sempre no apogeu do orgasmo e simultaneamente com ele. Se se tem a oportunidade de observar o orgasmo dessas mulheres, pode-se ver que grandes quantidades de um líquido límpido e transparente são expelidas em esguichos, não da vulva, mas pela uretra (…). As profusas secreções que saem com o orgasmo não têm um objectivo lubrificador, pois nesse caso seriam produzidas no início do coito e não no auge do orgasmo.”

II. Ejaculação feminina e urina não são a mesma coisa

A partir de 1980, vários pesquisadores, inclusive o próprio Gräfenberg, dedicaram-se a examinar os fluidos expelidos pela mulher durante o orgasmo. A análise química estabeleceu a diferença entre os fluidos ejaculados e a urina.
Embora os primeiros resultados já tenham sido publicados no Journal of Sex Research em fevereiro de 1981, o desconhecimento da ejaculação feminina como consequência de um grande prazer sexual continua a causar vítimas.

Tatiana, uma estudante universitária de 22 anos, vive uma situação difícil desde que terminou com o namorado -o único homem com quem teve relações sexuais. Embora saia com outros rapazes, não admite qualquer possibilidade de contacto sexual.
“— Acho que nunca mais vou fazer sexo. Algum tempo depois de começar a transar com meu ex-namorado, descobri que tenho um problema sério. Na hora do orgasmo, urinei na cama e molhei tudo. Não sei como aconteceu. Fiquei super constrangida. Ele ficou desconcertado também, mas passou. Quando aconteceu novamente, eu não sabia o que dizer. Preferi terminar tudo. Não quero mais passar por isso de jeito nenhum.”

Há muito tempo mulheres são encaminhadas para operação por serem consideradas portadoras de incontinência urinária de stress. Mas desde 1958 que o urologista Bernard Hymel, nos Estados Unidos, se recusa a operá-las por ter conhecimento do ponto G e da ejaculação feminina. Tentou várias vezes expôr aos seus colegas o equívoco das suas avaliações diagnósticas, mas a maioria considerou-o maluco, isolando-o.

III. Comentários de algumas mulheres

A americana Alice Ladas relata o comentário de algumas mulheres que entrevistou para a sua pesquisa sobre ejaculação feminina:

  • Mulher de 21 anos informou que o seu marido se convenceu de que ela urinava de propósito sobre ele todas as vezes que tinham relações sexuais, o que o deixava tão zangado que, finalmente, um dia, “ele premeditadamente mijou em cima de mim, deixou-me e entrou com uma acção de divórcio”.
  • Várias mulheres procuraram auxílio de médicos, tentando encontrar uma explicação, mas na maioria dos casos foi inútil: “Acontece que eu sou uma dessas mulheres que há anos vêm pedindo aos médicos, e até às médicas, uma explicação sobre o que está a acontecer comigo. Alguns disseram-me que se tratava de uma bexiga atónica. Outros, simplesmente, que certas mulheres têm mais lubrificação do que outras.”
  • “Depois de passar vinte anos a consultar uma quantidade de médicos e gastar muitas centenas de dólares – dez médicos disseram-me que eu precisava de me submeter a uma operação para resolver este problema -, agora finalmente sei qual é o meu caso e não vou ficar maluca.”

E a pesquisadora descreve um caso curioso: Uma mulher profundamente incomodada e por discordar do seu médico, cujo diagnóstico era de incontinência urinária, resolveu tomar um medicamento que deixava a urina azul. Ao ter o orgasmo ejaculatório, pôde constatar que o líquido não era azul, e em seguida urinou intencionalmente em cima do lençol e para sua alegria viu o líquido jorrado totalmente azul escuro.

IV. Em busca de um prazer maior

Algumas mulheres descobrem por acaso a ejaculação feminina, e agora que se fala mais sobre o prazer intenso que provoca a ejaculação, várias esforçam-se para viver essa experiência.

A sensação de alívio e descarga que a mulher sente na ejaculação é diferente da que sente no orgasmo. A ejaculação ocorre através da estimulação das partes sexuais que circundam a uretra, como o ponto G e o ponto U. Quando a mulher atinge o orgasmo, a ejaculação sai da uretra empurrada pelos músculos vaginais.

A mulher pode ter vários orgasmos e depois ejacular ou ejacular e ter um orgasmo ao mesmo tempo. Marcia e Lisa Douglas descrevem o vídeo How to Female Ejaculate, onde quatro mulheres se masturbam até ejacular e chegar ao orgasmo. Uma delas explica que ela própria se ensinou a si mesma a ejacular, enquanto as outras viveram essa experiência pela primeira vez inadvertidamente através da estimulação do ponto G.

Todas as mulheres podem ejacular. A questão é que a grande maioria nem sabe que isso é possível, portanto, somente quando a cultura sexual reconhecer a ejaculação feminina, um número maior de mulheres desenvolverá essa capacidade. O mesmo aconteceu com o orgasmo. Enquanto se acreditou que o prazer sexual era restrito aos homens, pouquíssimas mulheres sabiam o que era orgasmo, e pior, nem tentavam descobrir.

A repressão do prazer sexual é tão grande na nossa cultura que somos obrigados a concordar com Reich quando fala na “miséria sexual das pessoas”.

V. Facilitando a estimulação do ponto G

A mulher deve deitar-se de bruços sobre a cama com os quadris apoiados em um ou dois travesseiros. O parceiro, então, penetra-a com um dedo e inicia a estimulação da parede anterior da vagina. Movendo a pélvis para frente e para trás, a mulher não só ajuda na descoberta do ponto G, mas também descobre o tipo de estimulação que lhe dá mais prazer.

É importante frisar que as sensações iniciais são muito semelhantes, porém não têm nada a ver com urinar. Com o tempo ficará claro que essa é apenas uma etapa do processo do orgasmo vaginal.

Provavelmente as posições mais fáceis de se atingir o ponto G são as que envolvem penetração vaginal por trás e aquelas em que a mulher fica por cima.

 

Ménage à trois – Quer experimentar?

Você já pensou num ménage à trois?

 
 
 

Todas as pessoas têm fantasias sexuais, mas poucas são as que têm a disposição (e a coragem) para realizá-las.

Fazer amor na praia, dentro do WC de um restaurante, no elevador ou, quem sabe, uma relação a três! Você já pensou em fazer parte de um “ménage à trois”?

O “ménage à trois” não é algo assim tão absurdo. Vários homens sonham em fazer sexo com duas mulheres ao mesmo tempo e, entre as mulheres, não são poucas as que se perguntam como seria ir para a cama com dois homens. O ménage pode ser uma boa maneira de testar formas novas de sentir prazer, desde que você esteja à vontade e queira, de verdade, experimentar.

Antes de mais nada, é essencial pensar bem e escolher a melhor companhia para a aventura. O “ménage à trois” pode ser uma experiência sexual fantástica, desde que a escolha dos parceiros seja acertada. Além disso, é preciso pensar com clareza o que se espera da situação. Se é apenas um jogo ou uma forma de ampliar o leque de opções sexuais, pode ser muito agradável. Mas se o “day after” puder representar um problema, é melhor deixar de lado.

Para tornar o seu primeiro ménage inesquecível – e sem traumas – o ideal é escolher uma amiga de confiança ou um conhecido interessante. É melhor não haver relações de afectividade muito estreitas com a terceira pessoa – se você for fazer isso com o seu namorado – ou entre o grupo inteiro. E, claro, se você estiver num relacionamento, converse muito bem sobre as condições do ménage, para não ter problemas no dia seguinte.

Deixe-se levar – sem timidez
É melhor não fazer planos excessivos para o dia do ménage. Um banho demorado e sensual, uma luz sugestiva e pouca roupa já conseguem criar o clima. O resto fica por conta da imaginação de cada um.

Quando há três numa cama, a timidez está terminantemente proibida. Quem fica à espera que os outros satisfaçam os seus desejos, pode acabar a passar fome. Cada um deve tomar a iniciativa e provocar as fantasias do outro. É importante falar, expressar as suas sensações e mostrar os seus desejos. Sem isso, a experiência pode ser extremamente frustrante.

Beijos, carícias, massagens
É muito importante que cada pessoa tenha contacto físico forte com pelo menos um dos participantes, durante todo o tempo. Para isso vale tudo: beijos, carícias, massagens… em todas as partes possíveis.

A brincadeira pode durar até que as forças se esgotem. Mas não se esqueça que a excitação de três é bem maior que a de um casal e, por isso, a noite promete ser longa. E, como último conselho, um trio não se despede sem se falar. É melhor que todos comentem o que a experiência representou para cada um para evitar constrangimentos quando se encontrarem uma próxima vez.

O melhor do Sexo Oral

Quais os segredos para um bom sexo oral?

Aprenda a fazer o melhor oral da vida dele! 😉

Antes de mais nada, fica o aviso: o sexo oral também transmite aids/sida e outras doenças, portanto devem ser tomados os mesmos cuidados que se tem com a penetração. Existem no mercado camisinhas/preservativos específicos para esta prática (alguns até com sabor – de chocolate, morango, menta…). Só não peça para ele usar a camisinha se vocês já não usam preservativo normalmente no sexo, porque o relacionamento já é longo, os dois já fizeram o teste, são fiéis… ou seja, na dúvida, use sempre!

Resolvido o problema da segurança, vamos à prática:

 “Não há homem que não goste de receber sexo oral e, se você também gosta ou tem vontade de experimentar, a prática pode ser muito saborosa para os dois. A língua e a boca têm a temperatura e a humidade ideais para tornar a carícia muito mais excitante. Por incrível que pareça, não é o sexo anal o campeão do ranking das preferências sexuais masculinas. O vencedor é o oral. Portanto, as garotas de programa abusam dessa prática e dedicam-se a aprender e a fazer bem. Se você tem vergonha, mas mesmo assim quer experimentar, faça com alguém em quem realmente confie e de quem goste. Além disso, ele ficará maravilhado se você for activa durante o sexo e se preocupar em lhe dar prazer. Não há mulher boa na cama que não saiba fazer um sexo oral bem feito. O sexo oral é imprescindível.”

Se você tem dúvidas sobre como praticar o sexo oral, ou quer melhorar a sua técnica, mostramos os passos que pode seguir para fazê-lo vibrar de prazer.

Ataque! Comece a beijar o pescoço e vá descendo.Beije o peito, a barriga, beije de novo o peito, pescoço…

·          Surpreenda! É uma chatice ter que pedir para a mulher fazer sexo oral. Quando estiverem com um bom clima inicie sem ser preciso sequer uma sugestão da parte dele.

·          Ao contrário das mulheres, os homens gostam que tudo seja rápido e um pouco “selvagem”. Desabotoe as calças dele e comece logo a acariciá-lo. Já é um bom momento para você começar a despi-lo, mas aprenda a dosear a selvajaria com a calma, ou seja, faça-o esperar um pouquinho.

Não abocanhe ainda. Agora que tirou as calças, passe a mão pela perna dele, indo com as mãos em direcção ao pénis. Acaricie um pouco, faça cara de safada, passe o dedo suavemente pela cabeça do membro.

·          O Oral tem que levar o seu tempo… Demore tempo, perca uns minutos de volta dele… tenha feeling no acto!

·          Para que o resultado seja bom, o sexo oral deve durar pelo menos 15 minutos e é importante que os dois gostem e estejam confortáveis. Há muitas posições em que pode ser praticado. Normalmente o homem fica deitado com as costas para baixo e você com uma perna de cada lado dele.

A primeira grande dica é manter a boca e a língua bem humedecidas. Como a glande é uma região bastante sensível, precisa de diminuir o atrito seco e a saliva ajuda a tornar o toque mais excitante, pois desliza melhor.

·          Elogie. Eu sei que para muitas mulheres isso é um pouco constrangedor. Mas, um elogio curto e sincero (principalmente) é sempre muito bem-vindo e inesquecível.

Começa-se pela fala, dizendo o quanto se gosta e sente prazer em fazer oral nele. Se ele não estiver antes excitado, começará a ficar assim que começar a ouvir.

Aprecie o pénis dele com as palavras, com a boca e com os olhos. Os homens são verdadeiros narcisistas no que diz respeito ao pénis e esperma. E eles gostam de ver expressões de desejo no rosto de quem os acaricia com oral. Aproveite para o fazer enquanto diz frases picantes.

·          E os testículos? Algumas mulheres têm nojo, outras ignoram-nos e poucas conhecem o poder que os testículos têm. Um oral bem feito abrange essa área. Tem muitas terminações nervosas, o que o torna uma boa fonte de prazer quando estimulado. Dê umas lambidelas e pequenas chupadinhas, o resultado é imediato.

Massaje e acaricie os testículos dele, um de cada vez. Acredite, ele vai adorar! Deslize os seus dedos em direcção ao períneo e acaricie essa sensível região, sem pudores. Confie em mim, ele irá delirar! Depois de falar, segure com vontade o pénis, não de forma delicada como quem tem medo, mas com firmeza, com maestria.

·          Utilize temperos. Há uma série de ingredientes que colaboram para deixar o oral mais interessante. Um deles são as pastilhas de mentol ou água gelada (ou a combinação explosiva de ambos). Ponha um na boca e depois beba a água. É indescritível a sensação. Leite condensado e marshmallow também são uma boa sugestão.

Então é hora de por em prática o oral. Começa-se pela glande, com a boca bastante húmida envolvendo-a por inteiro. Nessa altura deixa-se a língua flácida e faz-se movimentos de subir e descer, ora tirando o pénis totalmente da boca, ora subindo e descendo sem parar.

Leva-se também o pénis até ao fundo da garganta. Procure, no momento em que o pénis está todo envolto pela boca, fazer sucção com bastante força, e procure deixar a boca mais suave (diz-se “toque aveludado”) quando estiver na parte da glande.

·          Cuidado com as mordidelas. Uma mordidazinha de leve pode ser interessante, mas não morda como fosse um chocolate; a cabeça é extremamente sensível.

·          Cuidado com os dentes. Este erro é o mais comum. Existem mulheres que não abrem a boca como deve ser ou que movimentam o pénis com os dentes, e assim raspam os dentes constantemente. Tente usar mais os lábios.

 

Estão aqui os segredos que uma profissional do sexo usa para ter êxito no sexo oral. No início você pode sentir-se incómoda, mas com o treino deixa de ter a sensação do refluxo quando o pénis toca na epiglote.

A região de maior sensibilidade é a glande, mas nela encontramos uma micro região que é mais sensível ainda, o freio do prepúcio. Vale a pena dar uma olhadela num livro de anatomia para saber a localização exacta, ou então procurar figuras da anatomia peniana na internet.

Exactamente nessa parte é que se concentrará a atenção especial. Há duas maneiras diferentes de se dar prazer com oral no freio do prepúcio. Uma delas é, com a língua humedecida e rígida, sem estar com a boca na glande, friccionar o freio, apenas com a ponta da língua rígida. Brinque a percorrer o curto comprimento do freio do prepúcio e brinque também na transversal do freio.

A segunda maneira é com a boca envolvendo toda a glande, também se acaricia o freio do prepúcio, só que usando a língua flácida. Apesar da parte mais erógena do pénis ser o ápice, explora-se todo o corpo peniano e passa-se a língua em volta dele, parando apenas para dar chupadelas na região da virilha também. As profissionais do sexo abusam dos movimentos repetitivos, fazendo-os inicialmente em ritmo devagar e depois acelerando os movimentos.

·          Olhe para ele. Esta é curiosa, mas muitos homens adoram quando a mulher está a fazer o oral e a olhá-lo nos olhos. Não tenha vergonha!

 

·          Não se esqueça das mãos. Elas podem fazer coisas óptimas e bastante excitantes enquanto apenas a boca está ocupada

Para aumentar a força do orgasmo, faz-se com que o momento dure o maior tempo possível, mudando de ritmo quando ele estiver a ponto de ejacular, dessa maneira é possível “controlar” a hora da finalização. Mudanças frequentes no movimento costumam retardar a ejaculação, bem como movimentos repetitivos e vigorosos aceleram o processo.

Para causar maiores arrepios no homem, balas de halls preto podem estar na boca enquanto o sexo oral é feito. Essa até é uma dica da década passada, hoje em dia já se conta com gel comestível de vários sabores que também causam a mesma sensação refrescante da bala, bem como pedrinhas de gelo. Ambos causam sensações térmicas incomuns, que excitam os homens”.

·          A polémica engole ou cospe? Para mim isso é indiferente. A essa hora já nada interessa. O importante é antes!

 

69 dicas de sexo – Dadas por quem sabe!

fantasias sem censura

1 “Uma cliente pedia que eu a encontrasse depois do jiu-jítsu, vestindo quimono e suado.” Hudson

2 “Banco o caubói, com jeans surrado, lenço no pescoço e chapéu. E pego um chicote de brinquedo. Aí, monto de cavalinho nela e dou chicotadas de leve.” Janderson

3 “Me visto de garçom. Uso apenas uma gravata- borboleta. Daí, deixo a mulher comandar.” João

4 “Encarno o executivo, vendo os olhos dela com a gravata e permito que me dispa com a boca.” Eros

5 “Coloquei farda de policial e a algemei na cama com um lençol amarrado na boca. Rasguei suas roupas peça por peça.” Leonardo

prazer em todo lugar

6 “Já agarrei uma cliente na lavanderia. Transamos ali, enquanto a irmã dela via tevê na sala.” Ricardo

7 “De madrugada, parei o elevador com a trava de emergência, peguei-a no colo e fizemos lá mesmo.” Marcelo

8 “Quando vamos jantar num restaurante, arrasto a cliente para o toalete a fim de darmos uma rapidinha.” Tarcízio

banquete dos prazeres

9 “A cliente me ofereceu morangos e eu, na hora, os coloquei na vagina e fiz sexo oral nela!” Janderson

10 “Derramo leite condensado pelo corpo e lambo feito criança.” Otávio

11 “Já espalhei melancia sobre uma cliente e suguei o caldo. Tomar champanhe no umbigo também é parte do pacote!” João

12 “Deito a mulher na cama e vou derramando uma bebidinha pelo corpo dela com a boca. Depois passo a língua pelo rastro.” Marcelo

13 “Espremo frutas na barriga, nos seios, nas coxas e, com muito apetite, me delicio. Não deixo faltar jaca – tem poder estimulante.” Leonardo

massagistas de plantão

14 “Com as mãos lambuzadas de óleo aromático (de alfazema, que age sobre as emoções, ou de almíscar, afrodisíaco), aperto a polpa dos polegares nos pés. Vou subindo por todo o corpo dela dando leves beliscões.” Rodrigo

15 “Para relaxar antes do vamos ver, massageio os pés e a nuca dela com óleo de bebê.” Ricardo

16 “Percorro o corpo da cliente para que sinta o calor das minhas mãos. Alterno movimentos firmes e suaves nos pés e vou subindo pelas pernas, joelhos, coxas, nádegas, costas, braços, axilas e ombros. Uso a boca para acariciar o pescoço e os seios, assoprando, beijando e sussurrando.” Tarcízio provocação sem limites

17 “Passo uma rosa por todo o corpo dela até se excitar. Dou a flor de presente no fim.” Otávio

18 “Danço para ela e deixo que passe as mãos em mim, apertando o meu bumbum, as pernas…” Gustavo

19 “Sou romântico. Uma vez, escrevi uma poesia no corpo dela com batom.” Eros

20 “Já decorei o quarto com velas, pois sabia que a mulher adorava. Ela se sentiu lisonjeada!” Hudson

21 “Gosto de beijar a zona entre as coxas – isso atiça demais a mulher.” Gustavo

22 “Convido-a para dançar – em cima da cama, no palco do motel, no chuveiro… Faz com que ela fique descontraída.” Janderson

23 “Preparo uma poção excitante que leva catuaba, amendoim, sorvete e vodca.” Ricardo

24 “Sussurro coisas picantes no ouvido e, quando acelero a penetração, digo que estou quase lá. É um poderoso afrodisíaco.” Gustavo

25 “Fervo por 2 minutos 1 litro de vinho tinto suave com um pauzinho de canela, 7 cravos-da-índia, 1 pitada de manjericão seco em pó e sirvo depois de frio com 1/2 litro de suco de maracujá. Minhas clientes sobem pelas paredes.” Eros

26 “Pétalas de rosa ativam a energia e aumentam o desempenho sexual. Esfrego-as no corpo dela quando faço massagem.” Leonardo

27 “O meu beijo na boca: chupo o lábio de baixo e corro a língua nele com sensualidade.” Gustavosedução na água

28 “Faço muita espuma na banheira, como nos filmes. A melhor posição para esse espaço reduzido é o papai-e-mamãe ou ela por cima.” Janderson

29 “Toda vez que tomo banho com uma mulher, peço para depilar suas partes íntimas.” Hudson

30 “Como a penetração é mais difícil embaixo d’água, encaixo na posição cachorrinho enquanto a banheira enche e abaixamos aos poucos.” João

31 “Gosto de ensaboar a mulher usando meu corpo como bucha.” Tarcízio

32 “No chuveiro, ela se masturba com a ducha, de costas, e eu encosto a ponta do pênis atrás, esperando que peça mais.” Leonardo

33 “Jogo pétalas de rosa na anheira e pingo 5 gotas de óleo de rosas. Traço um caminho de flores da cama até o banheiro. Esse banho deixa a mulher aberta para novas sensações.” Tarcízio

striptease: investimento garantido

34 “Ao fazer um strip, falo sacanagens. Também jogo dados luminosos de sex shop que indicam o que tirar primeiro.” Janderson

35 “Vou ficando nu ao som de hip hop. Passo óleo de massagem no corpo para ficar gostoso.” Hudson

36 “Com um olhar malicioso, vou me despindo e perguntando se ela quer fazer sexo oral. Quando a mulher não agüenta mais de desejo, coloco na boca dela.” Leonardo

37 “Fico em pé na cama, por cima dela. Vou jogando as peças pelo quarto e pedindo sua ajuda nas partes mais difíceis, como desabotoar a calça…” João

carinhos quentíssimos e pecados permitidos nos seios

38 “Dou mordidinhas e beliscões, de leve, no bico. E provoco a região com um gelo.” Hudson

39 “Mordo o bico rangendo os dentes e puxo, assoprando.” Gustavo

40 “Caio de boca e mamo gostoso até senti-los enrijecer na boca.” Leonardo

41 “Faço massagem com óleo que esquenta a pele, de chocolate ou menta.” Janderson

trabalhos manuais garantem dose extra de tesão

42 “Estimulo o clitóris com dois dedos e faço sexo oral junto. Até ela gozar.” João

43 “Massageio os grandes lábios movimentando os dedos como se fosse uma cobrinha.” Gustavo

44 “Depois do sexo oral, escorrego o dedo com gel  K-Y na vagina. Se a cliente gostar, vou aprofundando e estimulando essa região mais e mais.” Tarcízio

45 “Sou ótimo na masturbação com cubos de gelo. Para relembrar aquele momento, uma cliente passou a usá-lo sozinha.” Hudson

use a boca para esquentar o clima

46 “Passo um óleo que esquenta e assopro para brincar de quente-frio. Finalizo com um bom trabalho de lábios lá embaixo.” Hudson

47 “Pingo uma bebida na vagina e vou sorvendo devagar.” Marcelo

48 “Beijo todo o corpo da garota. Quando ela está cheia de tesão, corro a língua pelos grandes lábios.” Otávio

49 “Com ela na posição cachorrinho, faço oral por trás, passando a língua também pelo ânus.” João

50 “Chupo cubos de gelo para a minha língua ficar geladinha…” Ricardo

51 “Deito de barriga para cima, ela senta sobre o meu peito, perto da minha cabeça, e deita de costas no meu abdômen. Então, toco de leve a língua no clitóris e vou fazendo um movimento progressivo. Peço que goze na minha boca.” Tarcízio

turbinado: papai-e-mamãe para PH.D.

52 “Na clássica posição, dou uma de mestre-sala e solto o quadril. Mexo com vontade até ela subir às nuvens.” Eros

53 “Para turbinar o papai-e-mamãe, olho nos olhos! Isso faz com que a mulher se sinta mais segura.” Hudson

54 “Fecho as pernas dela e abro as minhas ao máximo. Assim, tenho contato maior com o clitóris.” Rodrigo

posições que garantem o orgasmo

55 “Ela fica deitada de costas e eu em pé. Daí, levanto suas pernas e encaixo por trás, como se seu corpo fosse um carrinho de mão.” Gustavo

56 “Sentado em uma cadeira, coloco-a no colo, de costas para mim. Enquanto massageio seus ombros, ela se encaixa e encontra o ritmo perfeito. Para variar, ela vira de frente, joga as pernas no meu ombro e se inclina para trás. Seguro na cintura e mando ver.” Leonardo

57 “A mulher deita de bruços e eu fico por cima. Encaixo minhas pernas nas dela e dito a intensidade dos movimentos.” Eros

acessórios esquentam a transa

58 “Faço sexo oral com um óleo de massagem que tem sabor de fruta. Me dá muito prazer e eu dou mais prazer ainda a elas!” Hudson

59 “Uso um par de algemas para prender as mãos dela ao redor do meu corpo.” Otávio

60 “Aposto numa camisinha que tem saliências por fora e retarda o orgasmo.” Marcelo

61 “Espalho perfume com cheiro de morango no pênis.” Janderson

62 “Tenho um anel tripla ação que estimula de uma só vez o ânus, a vagina, o clitóris e os lábios vaginais. É poderoso.” Eros

63 “Comprei um vibrador que simula um pênis negro, para variar.” Ricardo

64 “Começo as preliminares com um massageador de clitóris que relaxa a gata.” Janderson

65 “Faço sexo anal enquanto introduzo na frente um vibrador duplo ou de coelhinho.” Leonardo

dicas para melhorar o sexo anal

66 “Antes de começar o sexo anal, passo um dedo molhado lá. Depois, ponho o menino com jeitinho e paro. A contração do esfíncter pressiona o pênis e faz com que ele entre.” Gustavo

67 “Aplico um gel no dedo e encaixo-o lá dentro. Fico brincando até perceber que ela está preparada para a penetração. Então ponho o pênis enquanto sussurro coisas no ouvido.” Otávio

68 “Fico deslizando a língua por todo o contorno do bumbum até chegar ao ponto central. Daí, o ideal é a mulher ficar em cima, pois dessa forma tem total controle na velocidade e profundidade da penetração.” Rodrigo

69 “Com cuidado, enfio o dedo no ânus fazendo movimentos circulares. E ela vai rebolando para receber mais um pouco.” Eros